Arquivos da categoria: Custo Modulo I

Identificar o que custo fixo e variável em regime de competência.
Identificar e calculara os custos variáveis de uma empresa
Calcular os custos como: comissões, frete, inadimplência e etc…
Formar o preço de venda.

Frete

Frete CIF e FOB

Frete CIF é quando ele é pago pelo remetente da mercadoria

FOB determina que o pagamento do frete será feito pelo destinatário.

 

CIF: frete pago.
FOB
: frete à pagar.
 

I – Frete FOB

“FOB” é a abreviatura da frase inglesa “Free On Board” que significa “Posto a Bordo”.

Continue lendo

Definições de Custos

Custos e suas definições

A Contabilidade existe desde os primórdios da civilização e, durante um longo período, foi tida como a arte da escrituração mercantil. Utilizava técnicas específicas, que se foram aperfeiçoando e especializando, sendo algumas delas aplicadas até hoje.

Não obstante a origem milenar da contabilidade, identificada por historiadores como praticada em tempos remotos da civilização, embora de forma rudimentar e não sistematizada.

O homem enriquecia, e isso impunha o estabelecimento de técnicas para controlar e preservar os seus bens. Aí se inicia a história da contabilidade, que segundo historiadores e estudiosos, se divide em quatro períodos:

CONTABILIDADE DO MUNDO ANTIGO – período que se inicia com a civilização do homem e vai até 1202 da Era Cristã, quando apareceu o Liber Abaci , da autoria de Leonardo Pisano.

CONTABILIDADE DO MUNDO MEDIEVAL – período que vai de 1202 da Era Cristã até 1494, quando apareceu o Tratactus de Computis et Scripturis (Contabilidade por Partidas Dobradas) de Frei Luca Paciolo, publicado em 1494, enfatizando que à teoria contábil do débito e do crédito corresponde à teoria dos números positivos e negativos, obra que contribuiu para inserir a contabilidade entre os ramos do conhecimento humano.

CONTABILIDADE DO MUNDO MODERNO – período que vai de 1494 até 1840, com o aparecimento da Obra “La Contabilità Applicatta alle Amministrazioni Private e Pubbliche” , da autoria de Franscesco Villa, premiada pelo governo da Áustria. Obra marcante na história da Contabilidade.

CONTABILIDADE DO MUNDO CIENTÍFICO – período que se inicia em 1840 e continua até os dias de hoje.

A Contabilidade de Custos

A Contabilidaded Financeira

A Contabilidade Gerencial

Sentimo-nos muitas vezes confundidos com as expressões Contabilidade de Custos , Contabilidade Financeira e Contabilidade Gerencial. São sinônimas? Representam disciplina distintas? São apenas enfoques dados à Contabilidade?

Essas e outras dúvidas são comumente dirimidas por meio de uma ligeira análise histórica; esta, ao explicar cronologicamente o aparecemento de cada expressão e a razão de seu uso, acaba por dar-nos uma visão mais ampla dos conceitos, em questão. Por isso, e para podermos também saber o porquê de muitos dos princípios utilizados não contabilidade de Custos, faremos um breve retrospecto histórico.

Da contabilidade Financeira à de Custos

Até a Revolução Industrial (século XVIII), quase só existia a Contabilidade Financeira (ou Geral), que, desenvolvida na Era Mercantilista, estava bem estruturada para servir as empresas comerciais.

Para a apuração do resultado de cada período, bem como para o levantamento do balanço em seu final, bastava o levantamento dos estoques em termos físicos, já que sua medida em valores monetários era extremamente simples:  o Contador verificava o montante pago por item estocado, e dessa maneira valorava as mercadorias. Fazendo o cálculo basicamente por diferença, computando o quanto possuía de estoques iniciais, adicionando as compras do período e comparando com o que ainda restava, apurava o valor de aquisição das mercadorias vendidas, na clássica disposição:

Estoque Iniciais

( + ) Compras

( – ) Estoques Finais

( = ) Custo das Mercadorias Vendidas

Confrontando esse montante com as receitas obtidas na venda desses bens, chegava-se ao lucro bruto, do qual bastava deduzir as despesas necessárias à manutenção da entidade durante o período, a venda dos bens e ao financiamento de suas atividades. Daí o aparecimento da também clássica Demonstração de Resultados da empresa comercial.

Vendas…………………………………………………………………………………………….. XXX.XXX,XX

( – ) Custos das Mercadorias Vendidas

Estoque inicial…………………………………………..              XX.XXX,XX

( + ) Compras ……………………………………………              XX.XXX,XX

( – ) Estoques Finais ………………………………….. (XX.XXX,XX )               (XX.XXX,XX )

( = ) Lucro Bruto ………………………………………………………………….      XX.XXX,XX

( – ) Despesas

Comerciais (Vendas) ……………………………………           XX.XXX,XX

Administrativas ………………………………………….            XX.XXX,XX

Financeiras ……………………………………………….. (XX.XXX,XX )               (XX.XXX,XX )

Resultado Liquido………………………………………………………………….      XX.XXX,XX

Os bens eram quase todos produzidos por pessoas ou grupos de pessoas que poucas vezes constituíam entidades jurídicas. As empresas propriamente ditas viviam basicamente do comércio, e não da fabricação (Fora, é lógico, as financeiras). Dessa forma, era bastante fácil o conhecimento e a verificação do valor de compra dos bens existentes, bastando a simples consulta aos documentos de sua aquisição.

Com o advento das indústrias, tornou-se mais complexa a função do contador que, para levantamento do balanço e apuração do resultado, não dispunha agora tão facilmente dos dados para poder atribuir valor aos estoques; seu valor de “compras” na empresa comercial estava agora substituído por uma série de valores pagãos pelos fatores de produção utilizados.

Nada mais razoável, para solução desse problema, do que vermos o contador tentando , adaptar à empresa industrial os mesmos critérios utilizados na comercial. Nesta, no balanço final, permaneciam como estoques no ativo apenas os valores sacrificados pela compra dos bens. Nenhum outro valor relativo a juros e outros encargos financeiros, a honorários dos proprietários e administradores, a salários e comissões de vendedores etc. era ativado. Todos esses gastos eram automaticamente apropriados como despesas do período, independentemente da venda ou não de mercadorias.

Começou-se então a adaptação, dentro do mesmo raciocínio, com a formação de critérios de avaliação de estoques no caso industrial.

RESUMO

A Contabilidade de Custos nasceu da Contabilidade Financeira, quando da necessidade de avaliar estoques na indústria, tarefa essa que era fácil na empresa típica da era do mercantilismo. Seus princípios derivam dessa finalidade primeira e, por isso, nem sempre conseguem atender completamente a suas outras duas mais recentes e provavelmente mais importantes tarefas: controle e decisão. Esses novos campos deram nova vida a essa área que, por sua vez, apesar de já ter criado técnicas e métodos específicos para tal missão, não conseguiu ainda explorar todo o seu potencial; não conseguiu, talvez, sequer mostrar a seus profissionais e usuários que possui três facetas distintas que precisam ser trabalhadas diferentemente, apesar de não serem incompatíveis entre si.

Relógio

Cronoanálise

Relógio

Relógio

Definição de Cronoanálise A Cronoanálise surgiu por volta de ano de 1890  nos EUA como iniciativa de um Engenheiro Mecânico, Frederick Winslow Taylor, que é considerado um dos maiores contribuintes para o desenvolvimento  da Ciência da Administração sobretudo da Administração Industrial.No Brasil, a consciência do estudo de Tempos è Métodos chegou com as multinacionais e ficou restrito a essas empresas por muitos anos, Continue lendo

gestao-custos

Custos Terminologias

Conceitos da Contabilidade de Custos:

Contabilidade Gerencial : Apresentar relatórios internos para o processo de tomada de decisão dos gerentes.

Contabilidade Financeira : Cuida da produção dos relatórios externos da empresa, onde, é importante a observância dos Princípios Fundamentais de Contabilidade.
Continue lendo